Sign in to follow this  
DCM Balthazar

Artigo: Possíveis problemas na postura

Recommended Posts

DCM Balthazar

Artigo gentilmente cedido pela Mariane Scaldaferri, retirado da revista Pássaros:


Ovos Casca Mole

Algumas fêmeas de aves podem colocar ovos com a casca mole.

Se isto ocorrer apenas com um ou alguns ovos, o problema será devido à carência de minerais, não necessariamente cálcio.

O importante não é propriamente a falta de cálcio que faz com que a ave coloque ovos com casca mole ou outros problemas e sim a falta de fósforo.

Não é a falta de cálcio que causa problemas na postura e sim o desbalanço entre a combinação cálcio + fósforo.

O ideal é procurar um veterinário especializado em aves e consultá-lo sobre o suplemento mineral correto.

Como prevenção, misture areia especial para aves, estas que contem casca de ovo e outros aditivos.

A melhor areia é a do Piccinini. É um pouco cara mas vale a pena pela formulação da mesma e 500g desta areia deve durar cerca de 3 a 4 meses.

Ossos de siba não devem ser esquecidos também.

Se você optar em fornecer a casca de ovo, que é rica em cálcio, a mesma deverá ser cozida por 20 minutos, depois torrada por 30 minutos no formo e esmigalhada. (Tudo para evitar contaminação por Salmonela spp)

Se todos os ovos colocados pela fêmea forem de casca mole, é sinal de distúrbio hormonal.

Neste caso, o tratamento nem sempre é eficiente, pela dificuldade de detecção do hormonio causadora.

Aconselha-se afasta-la da reprodução.

Ovo Atravessado

Qualquer criador deve estar preparado para, mais cedo ou mais tarde, enfrentar este problema nas suas aves.

A fêmea, quando está prestes a pôr ou algumas vezes no meio da postura, amanhece toda arrepiada quieta no chão ou no ninho, os olhos semicerrados.

Apalpando suavemente a região do abdómen, perto da cloaca, pode-se perceber o ovo como que atravessado.

Infecções do oviduto, deficiências de minerais que impedem a perfeita calcificação do ovo, ovos anormais, problemas hormonais e com a hormona que estimula as contrações musculares do oviduto, obesidade, fêmea muito jovem, fraqueza, são as causas principais do ovo atravessado.

Pegue a ave e passe azeite de oliva ou óleo morno, na região da cloaca; massageie o local, segure a fêmea na mão, mantendo-a de costas, com o abdómen virado para cima.

Com o dedo indicador e polegar, localize o ovo e faça pressão suavemente e massageie de forma a induzir a parte rombuda do ovo para a cloaca.

É preciso ter cuidado e paciência para que o ovo não parta, não tente partir o ovo pois pode perfurar o oviduto.

Segure a ave na mão em cima de uma vasilha com água quente, sendo que a fêmea deverá receber apenas o vapor d'água.

Outra forma seria pegar um tubo de ensaio que caiba a fêmea e tampa a boca do tubo deixando uma passagem para o ar. Role o tubo em cima de uma mesa várias vezes muita velocidade nem muito rápido e nem muito lenta, repita estes movimentos umas 8 vezes, e após retire a fêmea do tubo e recoloque-a no ninho.

As fêmeas que passam por este problema deve ficar sem produzir por toda uma temporada, para que se possam refazer.

Ovos "Claros"

"A época de criação é para os criadores uma fonte de questões e também de problemas.

Eis aqui alguns deles referentes aos ovos e filhotes no ninho.

O que fazer com os ovos claros?

É normalmente por volta do sexto dia que o criador observa se os ovos estão fecundados.

Quando não estão, são chamados de "claros". Deve-se então retirá-los?

Sim, deve-se retirar um a cada dia e ao final, no último ovo, banhar a ave com borrifos de spray de água para "retirar o choco" e se caso for de suspender a postura, retirar o ninho caso contrário a fêmea fará então uma outra postura: postura de substituição.

Certos casais, contudo, são capazes de identificar ovos claros.

Podem até expulsá-los do ninho.

Porém a maior parte dos casais não fazem isso.

Assim, retirando-se esses ovos evita-se que a fêmea se desgaste por uma incubação inútil.

Também ganha-se tempo.

É interessante que o criador conserve cuidadosamente um ou dois ovos claros.
Podem servir para um outro ninho.

Deve-se juntar um ovo claro a uma ninhada pouco abundante de pequenos pássaros.
O ovo claro evita que os filhotes novos sejam esmagados acidentalmente.

Num ninho, vazio, o ovo claro pode estimular a postura ou, como se verá, constatando-se se um casal não come os ovos.

Se numa postura ocorreu apenas um ovo claro, estando os outros fecundados, deve-se então deixá-lo.

Ovo rachado e ovo furado.

Se um ovo acidentalmente rachado, é possível conservá-lo usando-se cola ou gesso com um pincel.

Geralmente, porém, este ovo gera pela contaminação com micróbios.

Quando um ovo está furado, isto geralmente acontece devido às unhas muito pontiagudas dos pais.

Esse ovo não se desenvolverá.

É muito raro que o ovo seja furado por uma bicada; o furo seria muito maior e, frequentemente, quando isso ocorre, o ovo é comido pelos pais.

É necessário observar para que as unhas não fiquem afiadas e, se necessário, deve-se cortar suas pontas com tesoura.

É preciso retirar-se e devolver os ovos?

Muitos criadores retiram os ovos que vão sendo postos até a terceira postura para, então, devolvê-los junto ao ninho.

Os ovos retirados são colocados sobre algodão ou painço e diariamente revirados para se evitar que o embrião cole na casca.

Faz-se isso para conseguir uma eclosão agrupada.

É que, frequentemente, o filhote nascido por último fica menor e, assim, essa demora de crescimento pode levar ao abandono pelos pais e à morte.

A morte de um filhote pode prejudicar a totalidade deles se o cadáver não for removido.

Os ovos são postos isoladamente: um ovo por dia, e dois dias podem separar o primeiro do segundo ovo.

Portanto, as eclosões são agrupadas.

Ela pode ocorrer num mesmo dia ou dois dias somente.

Na galinha, vinte pintinhos podem eclodir ao mesmo tempo.

A experiência tem mostrado que a fêmea move os ovos regularmente.

Isso pode ser verificado pela marcação suave com um lápis.

Deslocando-se os ovos ela permite uma incubação regular: os ovos situados na periferia recebem menos calor que aqueles do centro do ninho o que poderia acarretar uma demora no seu desenvolvimento.

A fêmea muda então os ovos do centro para a periferia e vice-versa.
Alguns casais de aves parecem poder avaliar o grau de desenvolvimento do embrião, seja pelo equilíbrio do ovo, seja pelos primeiros gritos dos filhotes prestes a nascerem.

Pouco antes da eclosão de ninhada de nidifugos (patos, galinhas) se espera para eclodir ao mesmo tempo.

Assim, não é necessário retirar os ovos diariamente.
Nem, igualmente, movê-los.

Primeiro porque a incubação ainda não começou e depois porque a mãe os moverá regularmente.

A movimentação dos ovos pode ser necessária quando a ninhada chega de 4 a 6 ovos ou mais.

Ela tem a finalidade de assegurar a eclosão agrupada.

No ovo, o futuro embrião fica admiravelmente suspenso, de tal modo que esteja no alto, sobre a gema.

Em seguida as ligações embrionárias protegem o embrião e o sustentam.
O embrião pode correr o risco de colar na casca.

Num ovo gorado pode-se observar um embrião imperfeito, colado na casca; isto ocorre após a morte do embrião.

Ela pode ser acidental (resfriamento), genética (tara) ou microbiana.

Existem aves que põem apenas um ovo.

Uma andorinha-do-mar põe seu ovo na forquilha de um galho, uma outra a cola a uma planta.

Estes ovos não serão criados, mesmo assim seu desenvolvimento é normal.

Acontece, quando a atmosfera fica seca, que o filhote no momento da eclosão fica colado à casca pelos anexos embrionários que secaram.

Assim é necessário livrá-lo da casca, já que corre o risco de ser expulso com ela pelos pais.

Os recém-nascidos jogados para fora do ninho.

A eclosão geralmente ocorre pela manhã e é quando o criador encontra 1 ou 2 filhotes fora do ninho, já frios.

Se eles ainda se movem, pode-se aquecê-los com um bafejo antes de retorná-los ao ninho.

Porém deve-se ter mais atenção e revê-los sempre, pois correm o risco de serem novamente jogados para fora.

Aí surge uma dúvida; foi acidente ou foi ato voluntário?

A confirmação do ato voluntário é dada por pequenas feridas produzidas pelo bico do pai que expulsou os filhotes, geralmente causadas numa pata ou asa do filhote.

Quando isso acontece, pode-se colocar os filhotes no ninho de um outro casal, onde geralmente são bem acolhidos quando nesse novo ninho existem filhotes de idade semelhante.

Se os filhotes são recolocados com a mãe, é conveniente retirar-se o macho.
Geralmente o macho é o culpado.

Para ele, os filhotes no meio dos ovos não eclodidos são tomados como intrusos ou corpos estranhos que precisam ser retirados. Durante a incubação e na semana subsequente os pais vigiam atentamente a limpeza do ninho.

É raro que todos os filhotes sejam expulsos; eles não o são quando fica ainda um ou dois ovos no ninho, após sua eclosão.

Tenho verificado que os filhotes de diamantes mandarins que haviam sido expulsos, quando restava no ninho um ovo, não o foram mais quando este foi retirado.

Era um ovo goro: o embrião estava morto.

O número ótimo de filhotes.

Quando existem muitos filhotes num ninho raramente eles se desenvolvem convenientemente.

Frequentemente um fica mais atrasado, seja o último a nascer, seja uma mutante.
Toda a ninhada pode ter seu desenvolvimento retardado porque os pais não conseguem satisfazer a todos os filhotes.

Ao contrário, se a ninhada é de apenas um filhote, ela arrisca ser abandonada pelos pais quando desejam recomeçar uma nova ninhada.

Existe um número ótimo de filhotes.
Ele depende das aves.

Para os canários e pequenos exóticos é de três filhotes, raramente quatro.

Dessa forma tem-se maiores possibilidades de obter-se pássaros grandes.

A procura dos filhotes pelo alimento é muito importante para estimular os pais, mas não deve ser excessiva e, por conseguinte, para que todos os filhotes sejam bem nutridos.

É interessante que o criador equilibre as ninhadas, às vezes removendo um ou dois filhotes.

Se eles não estiverem anilhados, pode-se marcá-los com um hidrocor.

Quando começarem a emplumar fica fácil de identificá-los e, assim, colocar a anilha.
Salvo quando houver necessidade, não se deve provocar a saída dos filhotes do ninho.
É preciso que saíam por si sós.

Se forçarmos a saída deles, ficarão mais selvagens, mais tímidos.

Ficando mais tempo no ninho, sentem-se mais seguros.

É possível que anomalias de comportamento sejam provenientes de uma "má saída" do ninho. "

Maurice Pomarède
Revista Pássaros 
ACPERJ&BR

Share this post


Link to post
Share on other sites
Guest
This topic is now closed to further replies.
Sign in to follow this