Entre para seguir isso  
Seguidores 0
Sandra Gomes

Pânico noturno em aves

1 post neste tópico

 Bruno  Sotero  do  Nascimento bruno.sot@hotmail.com

Um  dos  problemas  que  mais  me  procuram  pedindo  ajuda  desde  que  comecei  a prestar  consultoria  na  criação  e  no  comportamento  de  calopsitas  é  quanto  ao  temido pânico   noturno,   que   por   vezes   causa  grandes  prejuízos  materiais,   financeiros   e psicológicos  ao  dono,  além  de  é  claro,  o  alto  nível  de  stress  e  possíveis  ferimentos  que venham  a  acometer  as  aves  nessas  situações. O  pânico  noturno  nada  mais  é  do  que  a  ave  se  assustar  com  algum  som, movimento  ou  odor  durante  a  noite.  Este  susto  desencadeia  uma  agitação  na  ave,  que busca  espantar  a  “ameaça”  batendo  as  asas  desesperadamente  (dificilmente  gritam nessa  situação  para  não  chamarem  ainda  mais  a  atenção  do  “predador”). Por  estar  em  um  ambiente  fechado  (normalmente  uma  gaiola)  esta  agitação  muitas vezes  gera  ferimentos,  quebra  de  penas  e  abandono  de  ninho.  Bem,  isso  a  maioria  das pessoas  já  sabe,  mas  porque  este  pânico  acontece  e  como  controlar? É   muito   importante   entendermos   como   funciona   a   mente   das   aves   para entendermos  o  porque  deste  pânico  generalizado  e  como  evitá-lo. Uma  coisa  que  um  proprietário  de  calopsitas  nesta  situação  sempre  pode  notar  é que  o  pânico  noturno  é  uma  espécie  de  efeito  dominó  na  criação,  ou  seja,  se  uma  ave entra  no  pânico,  normalmente  todas  as  outras  entram  junto,  mesmo  que  não  estejam vendo  o  que  a  primeira  a  se  assustar  viu.  Isso  se  deve  ao  fato  de  as  aves  serem  animais que  vivem  em  bando  e  por  viverem  em  bando  cada  uma  funciona  como  vigia  do  grupo.  Se uma  vigia  informa  que  viu  algo  o  bando  todo  segue  essa  informação,  independente  de terem  confirmado  a  presença  deste  algo  ou  não.  Este  instinto  é  muito  importante  na natureza,  uma  vez  que  centenas  de  olhos  enxergam  mais  do  que  apenas  um  par,  e  as chances  de  um  predador  lograr  êxito  ao  se  camuflar  de  tantos  olhos  reduz  drasticamente. Como  bando  é  muito  grande,  todos  seguem  imediatamente  o  alerta  que  a  ave  mais próxima  dá,  seguindo-se  assim  o  tal  efeito  dominó. Pois  bem,  entendido  isso  vamos  para  a  explicação  de  porque  as  aves  têm  esse pânico  noturno. Muitas  pessoas  têm  uma  visão  errada  do  pânico  noturno  associando-o  única  e exclusivamente  à  noite,  mas  este  pânico  pode  acontecer  à  luz  do  dia  sem  problema algum  pois  a  situação  de  pânico  não  é  gerada  pelo  fato  de  estar  escuro,  mas  sim  pelo  fato de  algo  assustar  a  ave.  Sendo  assim  um  gato  próximo  à  gaiola  ao  meio  dia  com  sol  à  pino pode  gerar  um  pânico  na  gaiola  igual  ou  até  pior  do  que  os  pânicos  que  as  aves  têm durante  à  noite.  Logo  é  muito  importante  para  o  dono  entender  que  o  problema  não  está na  noite,  mas  sim  no  que  está  gerando  susto  nas  aves. Na  natureza  as  aves  dificilmente  sofrem  com  PN,  mesmo  com  o  movimento  das folhas  das  árvores,  do  som  de  predadores,  trovões  e  etc.  então  porque  na  gaiola,  um  local tão  mais  seguro,  num  quarto  escuro  e  sem  barulho,  elas  ainda  assim  entram  naquele desespero  todo? Primeiramente   temos   que   entender   que   as  aves  NÃO  NASCERAM  PARA VIVEREM  EM  GAIOLAS  e  que  a  gaiola  nem  sempre  é  o  local  que  a  ave  considera  como sendo  o  mais  seguro. 

O fato  de  não  nascerem  para  viverem  em  gaiolas  não  é  uma  crítica  neste  contexto, mas  sim  uma  informação  que  as  pessoas  devem  ter  em  mente  para  entender  como condicionar  a  ave  a  viver  em  tal  ambiente. Mesmo  que  sua  ave  tenha  nascido  em  cativeiro  e  esteja  acostumada  a  viver  em gaiola,  quando  condicionamos  seu  habitat  única  e  exclusivamente  a  esse  ambiente estamos  privando  a  ave  do  poder  de  escolha.  Na  natureza  ela  dormiria  onde  se  sentisse mais  confortável  e  qualquer  coisa  que  a  traumatizasse  naquele  local  seria  o  suficiente para  ela  mudar  de  “abrigo”  e  procurar  um  local  onde  se  sentisse  mais  segura.  Muitos criadores  não  pensam  nisso  e  acabam  fazendo  da  gaiola  um  local  onde  a  ave  se  sente insegura  e  têm  grandes  prejuízos  por  isso. Esta  insegurança  pode  ser  gerada  por  vários  fatores  e  vou  citar  aqui  alguns exemplos:  você  tem  uma  ave  que  fica  numa  gaiola  e  um  belo  dia  você  deixa  essa  gaiola cair  com  a  ave  dentro,  ou  algum  animal  se  aproximar  da  gaiola  e  assustar  a  ave  ou alguma  criança  bater  nas  grades  da  gaiola,  ou  alguém  ficar  irritando  a  ave  forçando  uma aproximação  indesejada  enquanto  a  ave  está  ali  dentro.  Todas  essas  situações  geram  na cabeça  da  ave  o  seguinte  “pensamento”:  “Opa,  aqui  é  um  lugar  perigoso,  tenho  que  ficar atenta  porque  não  posso  confiar  que  estou  segura  dentro  desta  gaiola”.  Aí,  o  dono,  que não  deu  muita  importância  para  esses  detalhes  cobre  a  gaiola  com  um  pano  durante  a noite  e  a  coloca  em  um  local  alto  e  escuro  para  que  a  ave  não  se  assuste. Tudo  lindo  né? Só  que  não!  Eis  que  uma  brisa  leve  balança  o  pano  2cm  e  pronto,  inicia-se  o  auê naquela  gaiola.  E  porque  esse  auê  se  iniciou?  Porque  a  ave  não  se  sentia  confiante dentro  daquela  gaiola  e  por  isso  não  relaxava,  mantinha-se  sempre  em  estado  de  alerta  e qualquer  mínimo  movimento  fez  com  que  ela  ativasse  o  seu  modo  “alerta  máximo”  e entrasse  em  pânico. Temos  que  lembrar  que  as  aves  nunca  estão  dormindo  100%  se  não  estiverem totalmente  confiantes  do  local  onde  estão.  As  aves  possuem  a  capacidade  de  “dormirem” com  apenas  metade  do  cérebro  em  estado  de  dormência  enquanto  a  outra  metade  se mantém  atenta.  Isso  acontece  quando  você  nota  as  aves  dormindo  com  um  olho  aberto  e outro   fechado.   Ela   está   dormindo   mas   não   completamente.   E   estes   50%   que permanecem   acordados,   ao   notarem   qualquer   coisa   que  assuste  a  ave,  podem desencadear  o  pânico. Esta  situação  de  pânico  é  mais  comum  à  noite  (e  por  isso  do  nome  pânico  noturno) porque  neste  momento  a  ave  está  enxergando  menos  devido  à  escuridão  e  seus  sentidos estão  mais  sensíveis  devido  ao  silêncio  da  noite.  É  difícil  entender  isso  sem  uma  analogia, então  vou  levantar  aqui  uma  hipótese  para  que  o  leitor  entenda  melhor. Durante  o  dia  ouvimos  vários  barulhos  que  nem  escutamos.  Como  assim?  O  tempo todo   você   ouve   barulhos   de   pássaros,   carros,   pessoas   falando,   televisores, eletrodomésticos,  cães  latindo,  e  vários  outros  sons  ao  mesmo  tempo.  O  som  está  ali, você  está  ouvindo  mas  não  escutando  porque  seu  cérebro  não  está  prestando  atenção nele.  Nós  selecionamos  o  que  queremos  escutar  de  todos  aqueles  sons  que  estão entrando  no  nosso  canal  auditivo  para  darmos  atenção  somente  ao  que  importa.  Daí chega  a  noite  e  com  ela  vem  o  silêncio.  Nessa  situação  qualquer  mínimo  barulho  como um  grilo  fazendo  um  “cricri”  baixinho  na  casa  do  vizinho  já  se  torna  perceptível  pois  você tem  menos  sons  entrando  e  seu  cérebro  pára  de  se  preocupar  em  filtrar  os  mais  úteis. Em  uma  situação  onde  você  se  sente  seguro  com  o  que  está  acontecendo  você não  dá  atenção  a  mínimos  detalhes,  já  em  situações  novas  ou  temerosas  seus  sentidos são  utilizados  ao  máximo,  vide  por  exemplo  o  ato  de  dirigir.  Se  você  está  acostumado  e se  sente  seguro  no  volante,  o  ato  de  ver  outros  carros  ou  pessoas  passando  próximas  ao seu  veículo  se  torna  normal  e  até  imperceptível.  Já  se  você  tem  algum  trauma,  acabou  de sofrer  um  acidente  a  poucos  dias  ou  tirou  carteira  recentemente,  cada  detalhe  faz  adiferença  e  você  não  consegue  nem  conversar  com  o  carona  de  tão  atento  que  fica  na direção. Tudo  isso  acontece  com  as  aves.  Durante  a  noite  ela  fica  mais  atenta  e  com  menos sons  e  imagens  para  “camuflar”  qualquer  barulho  ou  movimento  que  a  assuste.  Ao escutar  qualquer  mínimo  som  ou  ver  uma  sobra  ou  vulto  se  mexendo,  caso  não  se  sinta segura  e  confiante  de  que  naquele  local  nada  de  mal  pode  lhe  acontecer,  ela  pode  se assustar  e  iniciar  o  pânico. Nossa  Bruno!  Muito  bacana,  mas  então  como  faço  para  evitar  o  pânico  noturno? Ao  contrário  do  que  muita  gente  pensa,  cobrir  a  gaiola  não  é  o  que  vai  fazer  sua ave  deixar  de  ter  crises  de  pânico,  muito  pelo  contrário.  Um  vento  balançando  o  pano pode  desencadear  a  crise  de  forma  muito  mais  intensa  além  de  a  ave,  em  meio  à  sua bateção  de  asas,  poder  agarrar  a  unha  no  pano  e  ficar  pendurada  aumentando  ainda mais  o  stress  e  o  trauma  psicológico  da  ave. O  primeiro  passo  para  quem  tem  esse  problema  é  tornar  a  gaiola  um  local  onde  a ave  se  sinta  100%  segura. Ao  se  sentir  segura,  como  eu  já  disse  no  exemplo,  a  ave  passa a  não  entrar  em  alerta  tão  facilmente  e  por  estar  confiante  ela  consegue  abrir  mão  de descansar  apenas  50%  do  cérebro  para  dormir  completamente  durante  a  noite. Eu  já  disse  em  um  vídeo  sobre  amansamento  que  a  ave  só  abre  mão  de  seus sensores  de  proteção  (o  qual  o  principal  é  a  visão)  se  ela  se  sentir  100%  segura.  Logo  ela só  vai  descansar  e  relaxar  100%  (na  verdade  o  mais  próximo  disso  pois  ela  nunca  está totalmente  inativa)  se  ela  sentir  que  nada  pode  ameaçá-la.  Ouso  dizer  que  95%  dos  casos de  pânico  noturno  estão  relacionados  a  traumas  ambientais,  ou  seja,  aves  que  não  se sentem  seguras  na  gaiola  ou  cômodo  onde  dormem  e  por  isso  desencadeiam  todo  este processo  que  já  expliquei. A regra  mais  básica  de  quem  tem  uma  calopsita  é:  NUNCA  TORNE  A  GAIOLA  UM AMBIENTE  TRAUMÁTICO. As  pessoas  devem  entender  que  a  gaiola  é  da  ave  e  não  do  dono.  Se  optamos  por termos  aves  e  criá-las  em  cativeiro  devemos  ter  em  mente  de  que  o  habitat  dela  deve  ser o  mais  seguro  possível  pois  estamos  privando-a  da  opção  de  escolha  de  onde  viver. Se  você  é  uma  pessoa  que  ama  demais  sua  ave  e  vez  ou  outra  confunde  razão com  emoção,  você  deve  estar  pensando:  “Ah,  se  a  ave  escolhendo  é  melhor,  então  vou deixar  ela  dormir  solta  no  meu  quarto!”. NÃO coleguinha,  esse  não  é  o  caminho. As  aves  precisam  de  um  porto  seguro  e  de um  local  onde  você  vá  colocá-la  e  saber  onde  ela  está.  Deixar  ela  solta  na  casa  durante  a noite  vai  gerar  vários  outros  problemas  muito  piores  que  o  pânico  noturno  como  por exemplo  você  levantar  da  cama  e  não  notar  que  ela  está  dentro  do  seu  tênis  ou  embaixo do  seu  pé  e  acabar  esmagando  o  pobre  animal. Se  sua  ave  tem  pânico  noturno  constantemente  a  solução  é: • reorganizar  a  gaiola  (caso  não  dê  para  trocá-la)  para  que  a  ave  se  sinta  em  um novo  ambiente; • não  deixar  em  hipótese  alguma  a  gaiola  cair  ou  animais  ficarem  tentando  predar  a ave  enquanto  ela  está  presa  para  que  a  gaiola  não  se  torne  um  local  traumático; • deixar  a  gaiola  sempre  em  locais  altos  onde  seja  mais  difícil  de  qualquer  animal  ou pessoa  assustar  a  ave • se  sua  ave  for  mansa  e  viver  solta,  solte-a  se  possível  diariamente  e  em  horários pré  determinados  deixando  sempre,  nesses  momentos,  a  gaiola  no  chão  para  que a  ave  possa  entrar  e  sair  durante  o  passeio; • quando  for  soltar  a  ave  NÃO  TIRE-A  DA  GAIOLA  COM    A  MÃO.  Deixe  que  a  ave saia  sozinha  quando  se  sentir  segura; 

• não permita  que  cães  e  gatos  se  aproximem  da  gaiola  das  aves; • prenda  os  panos  que  utilizar  para  cobrir  a  gaiola  com  pregadores  para  evitar  que fiquem  balançando  com  o  vento Vale  ressaltar  que  mesmo  seguindo  todos  os  procedimentos  aqui  descritos  pode sim  acontecer  de  uma  vez  ou  outra  (mas  muito  raramente)  as  aves  venham  a  ter  algum ataque  de  pânico  noturno,  mas  essas  crises  são  raras  e  passam  rápido  pois  acontecem quando  algo  de  mais  assustador  acaba  despertando  as  aves. Espero  ter  ajudado. 

1 pessoa curtiu isso

Compartilhar este post


Link para o post
Compartilhar em outros sites
Visitante
Este tópico está impedido de receber novos posts.
Entre para seguir isso  
Seguidores 0